Archive | Crisis Capitalism RSS feed for this section

Crisis sistémica del capitalismo y guerras de las altas finanzas

Por Rémy Herrera: [Excerto] Ninguna de estas corrientes de pensamiento (ultraliberal, neoclásico, neoliberal o nuevo keynesianismo) sugiere reflexionar sobre las condiciones de un proceso de rebasamiento del capital como en la relación social de explotación y opresión – no la mayoría de las proposiciones “de izquierda” (por ejemplo, las que reclaman la reforma del FMI […]

Continue reading

Política sem política

Por Anselm Jappe “Uma coisa me espanta prodigiosamente, eu ousaria dizer que me estupefaz: é que no momento científico em que escrevo, após inumeráveis experiências, após escândalos cotidianos, ainda possa existir em nossa querida França […] um eleitor, um único eleitor, este animal irracional, inorgânico, alucinante, que consinta desviar-se de seus afazeres, de seus sonhos, […]

Continue reading

O Fim do Direito

Hipóteses sobre a extinção de um princípio formal do Ocidente Por Franz Schandl: “Esta crise do Direito não diz respeito apenas à disciplina jurídica, como crise interna; ela é um fenômeno social. Também não pode ser resolvida pelo instrumentário jurídico. O Estado de Direito não é quebrado por quaisquer inimigos externos, mas pela sua própria […]

Continue reading

O fim da gestão da barbárie

Por Marildo Menegat: “Observe o leitor que as politicas de assistência estavam diretamente ligadas e subordinadas ao contexto mais geral de gestão econômica. Isso se deve ao fato de que, como a economia é uma esfera autônoma da sociedade burguesa, que predomina em sua dinâmica sobre as demais esferas de produção da vida social, se […]

Continue reading

Crisis Capitalism & Brasil’s Economic Realities

By Sérgio Baierle: “Lula’s developmentalism, inspired by trade unionism and Keynesianism, tried to reunite in one dream the resuscitation of the nationalist bourgeois of the 20th Century; the base level labor reforms of the 1950s and 1960s; and a new Brazilian miracle with great public investments reminiscent of the military dictatorship policies of the 1970s. […]

Continue reading

Da enorme descarga de capital fictício

Por Ernst Lohoff e Norbert Trenkle: – “Um movimento emancipatório contra a ‘austeridade’ e contra a gestão repressiva das crises deve visar romper, conscientemente, a ligação obrigatória entre a produção de bens sensíveis e a produção [suprassensível] de valor. Trata-se de recusar como ofensiva a questão da ‘viabilidade financeira’. Saber se as habitações serão construídas, […]

Continue reading

O giro dos ponteiros do relógio no pulso de um morto

Por Marildo Menegat [*]: No momento em que os laços de coação que constrangiam a vida social começam a se dissolver, ele passa a servir de ameaça contra a própria dissolução das relações sociais que perderam sua objetividade. É uma exacerbação projetiva da subjetividade. Não se sabe quem vem lá – pois é apenas o […]

Continue reading
Sailing the Desert by Gate-to-Nowhere in deviant

Produção e Finança

Por Eleutério Prado: Há uma dicotomia entre produção e finanças? Produção é meramente produção de bens e serviços? Finança é apenas uma atividade de intermediação que às vezes, ou mesmo frequentemente, transforma-se em especulação, dando origem a um rentismo desenfreado?  Na nota que aqui se publica procura-se mostrar que essa “dicotomia” é uma falsidade fundada […]

Continue reading

Wolpertinger no Parque Jurássico

A regressão imparável dos círculos da esquerda radical alemã – Por Robert Kurz: Os fantasmas que andam por aí não são originais, mas dinossauros bonzai, resquícios de um passado glorioso que não chegam aos calcanhares do objeto da sua idolatria. É que Lênin e os verdadeiros corifeus do passado foram, no seu tempo, tudo menos […]

Continue reading

Neoliberaler Keynesianismus

Por Robert Kurz: “Não é surpreendente que o keynesianismo de crise se revele a continuação do neoliberalismo por outros meios. Ambas as doutrinas se ligam incondicionalmente ao modo de produção capitalista, como pressuposto inultrapassável. Nesta crise histórica eles tornam-se idênticos, porque tanto o Estado como o mercado apenas podem executar os limites da valorização do […]

Continue reading
by untangled images - water

Struggle without Classes

Why There Is No Resurgence of the Proletariat in the Currently Unfolding Capitalist Crisis (2006) By Norbert Trenkle: “Não há nova classe trabalhadora alguma emergente aqui; o que antes está ocorrendo é a ação de pessoas que foram formadas enquanto sujeitos do trabalho e da mercadoria, mas que não conseguem mais funcionar normalmente como tal.” […]

Continue reading
Montjuic Cemetery Barcelona

Nem os baixos salários vos salvam!

A ilusão do Capitalismo da miséria e das prestações de serviços Por Norbert Trenkle: “Tal como o Neoliberalismo concebe um retorno à ‘normalidade capitalista’ através de privatizações, desregulamentação e salários baixos, também a esquerda concebe, precisamente no terreno desta mesma ‘normalidade’, poder voltar às gloriosas lutas pela regulamentação, pela intervenção Keynesiana do Estado de Bem […]

Continue reading
Shop until you drop by Banksy

O que é valor?

A que se deve a crise? (*) Por Norbert Trenkle: “O que é social e historicamente específico no trabalho não é, evidentemente, que as coisas em geral sejam produzidas e realizadas por atividades sociais bastante diferentes. Isso, de fato, toda sociedade precisa fazer. O específico é a forma na qual isto acontece na sociedade capitalista. […]

Continue reading

DINHEIRO: Da crítica social à crítica categorial

Por Boaventura Antunes: Nas últimas décadas não cessa de se agravar a contradição entre os trilhões que circulam no céu financeiro e a miséria dos salários de quem ainda encontra trabalho. Dos sete bilhões de seres humanos no planeta, a maioria subsiste numa economia do tostão; os residentes nos bairros de lata das megalópoles de […]

Continue reading
By Samuli Heimonen

Regulação social democrática tornou-se um estorvo

Por Eleutério Prado [1]: Tentando repercutir a tese de que, na atual conjunta histórica, é preciso opor o “comum” à propriedade privada e, mesmo, à propriedade estatal, de que, ademais, é preciso opor a democracia dos iguais à dominância de classe e, mesmo, à democracia burguesa, procura-se desenvolver aqui uma crítica à regulação social democrática. […]

Continue reading