Archive | Abolishing Capitalism RSS feed for this section

Violência e Barbárie:

Um pequeno estudo sobre as origens remotas do bolsonarismo Por Marildo Menegat (*) “(…) o bolsonarismo é o representante desta violência terrorista que se alimenta do horror diário das ruas, um ponto de chegada da passagem da atividade policial defensiva, como deveria ser numa democracia, para as modalidades ofensivas, iniciado, e nunca interrompido, ainda em […]

Continue reading

Um herói sem nenhum caráter

Por Mauro Luis Iasi: “Todo Quixote precisa de um Sancho Pança para montar o jumento enquanto o herói cavalga o Rocinante. Eis que surge Deltan Dallagnol, com seus óculos e semblante de garoto virgem em meio às quengas do cabaré. Nosso escudeiro brasilis, contudo, ao contrário da versão original de Cervantes, contudo, não é aquele […]

Continue reading

Fazer Lázaro se levantar da tumba não é um prodígio para qualquer um

Entrevista concedida por Marildo Menegat em 12/2016, tendo Daniel Cunha como entrevistador (Revista Sinal de Menos, n. 12, V. 2, 2018) O papel do PT esteve confundido com este desejo de salvar um horizonte histórico não mais possível, mas caro a uma compreensão progressista da história, que acabou se mesclando com uma atuação no presente […]

Continue reading

exit! Crise e crítica da sociedade da mercadoria, nº 16

Editorial (Maio 2019) “Se, como é bem possível, tivermos de perecer, não pereçamos sem termos existido. As forças tremendas que temos de combater preparam-se para nos esmagar; e certamente podem impedir-nos de existir plenamente, isto é, de dar ao mundo a marca da nossa vontade. Mas há um domínio onde elas são impotentes. Não podem […]

Continue reading

A Nova Cruzada do Fantasma Autoritário Brasileiro

Por Rubem Klaus: O bolsonarismo como fantasia e conclusão lógica do golpe de 64 1. Pioravante, marche! O bolsonarismo seguirá em sua marcha batida para o futuro – uma fuga para a frente arrastando uma acumulação periférica subdesenvolvida, mais ou menos fracassada em sua agenda de modernização e integração nacional num mercado global cada vez […]

Continue reading

O giro dos ponteiros do relógio no pulso de um morto

Marco Weissheimer: entrevista de Marildo Menegat ao Sul21  – 11/02/2019. – “O capitalismo, como uma forma social mundial, encontrou seu ponto de chegada, iniciando um largo processo de colapso”. Sul21: O subtítulo de seu livro [“A Crítica do Capitalismo em Temos de Catástrofe”] fala do “giro dos ponteiros do relógio no pulso do morto”. Qual o […]

Continue reading

INDÚSTRIA 4.0 E CONFLITOS COMERCIAIS NUMA ERA DE DECLÍNIO

Por Maurilio Lima Botelho (*): O que estamos vivendo hoje é o início da desestruturação dessa cadeia industrial mundialmente espalhada que na década de 1990 recebeu o nome de ‘globalização’. A chamada Indústria 4.0 ou Quarta Revolução Industrial introduz elementos que desarticulam completamente a forma dispersa da produção industrial. (…) Se nas últimas décadas ficou […]

Continue reading

O paradoxo da produtividade e aumento do trabalho improdutivo como sintoma do agravamento da crise do valor

Por Rall Canti: “A forma encontrada para driblar o colapso total da produção capitalista foi jogar para um futuro incerto a realização da mais-valia, através de um crédito que se refinancia à velocidade da luz. Como a valorização não pode mais se dar na produção automatizada que dispensa o “trabalho abstrato”, substância do valor, as […]

Continue reading

Capitalismo, socialismo e pleno-emprego

Por Eleutério Prado[1]: “Não, o sistema capitalista não é harmônico e não comporta soluções harmonizadoras.” O economista marxista indiano Prabhat Patnaik, num texto publicado em The people democracy (1/07/2018) e republicado logo depois no portal Ideas, procurou defender o sistema de acumulação centralizado que, usualmente – mas incorretamente –, recebe o nome de socialismo.[2] “O […]

Continue reading

Rumo ao desconhecido:

Endividamento mundial, crise monetária e colapso capitalista – Por Maurilio Lima Botelho: “(…) um mundo de riqueza material abundante, determinado por uma medida de riqueza substancial cada vez mais estreita (valor), teve que passar a pautar a circulação dos bens e serviços por uma representação fictícia da riqueza social. Numa configuração dessa, quando a própria […]

Continue reading

A_economia política dos direitos humanos

Por Robert kurz:   Alguma coisa pode não estar bem com os direitos humanos. A esta conclusão chegou, há mais de 150 anos, um homem chamado Karl Marx. Ele constatou o que tem um lugar central nas declarações de direitos humanos: liberdade dos sujeitos do mercado, garantia da propriedade privada, segurança policial das transacções. Por […]

Continue reading

Autonomías a la Mexicana

Entre la lucha campesina-indígena por la tierra, la praxis autonómica y los proyectos territoriales del “buen vivir” en Chiapas. Por Violeta Núñez, Luciano Concheiro y Patricia Couturier: Actualmente, esta otra forma de concebir el mundo, en donde la “Madrecita Tierra” (Concheiro y Diego, 2002) y el territorio concebido como sujeto, parece que son una de […]

Continue reading

Sair do trabalho?

Entrevista com Anselm Jappe [1] (Revue Réfractions – Recherches et expressions anarchistes n°38 – Versão em português por Pedro Henrique de Mendonça Resende – https://ocasocial.wordpress.com): “A esquerda sempre afirmou que está ‘no interesse’ dos operários fazer greve, demandar melhores condições de trabalho, etc., e surpreende-se com o pouco zelo deles para defender tais interesses. Ela rebateu, […]

Continue reading

Everybody wants to go to heaven, but no one wants to die to get there

Except the living deads? (SB) By Jehu (2014): If you ever want to make a good case against communism to a worker, tell her that communists want the following things: Everyone is unemployed No one has any income Democracy no longer exists No one can own anything The paradox of communism is that it appears to […]

Continue reading
bondage_by_daxhammond in deviant

¿Y si dejamos de ser ciudadanos?

Manifiesto por la desocupación del orden – Por Santiago López Petit: El (buen) ciudadano ya no es sólo el que es cívico y vota, sino el que está dispuesto a hacer de su vida una continua inversión capitalista en el pleno sentido de la palabra. “Tener una vida” significa invertir dinero, esfuerzo y tiempo, en […]

Continue reading