Archive | Abolishing Capitalism RSS feed for this section

INDÚSTRIA 4.0 E CONFLITOS COMERCIAIS NUMA ERA DE DECLÍNIO

Por Maurilio Lima Botelho (*): O que estamos vivendo hoje é o início da desestruturação dessa cadeia industrial mundialmente espalhada que na década de 1990 recebeu o nome de ‘globalização’. A chamada Indústria 4.0 ou Quarta Revolução Industrial introduz elementos que desarticulam completamente a forma dispersa da produção industrial. (…) Se nas últimas décadas ficou […]

Continue reading

O paradoxo da produtividade e aumento do trabalho improdutivo como sintoma do agravamento da crise do valor

Por Rall Canti: “A forma encontrada para driblar o colapso total da produção capitalista foi jogar para um futuro incerto a realização da mais-valia, através de um crédito que se refinancia à velocidade da luz. Como a valorização não pode mais se dar na produção automatizada que dispensa o “trabalho abstrato”, substância do valor, as […]

Continue reading

Capitalismo, socialismo e pleno-emprego

Por Eleutério Prado[1]: “Não, o sistema capitalista não é harmônico e não comporta soluções harmonizadoras.” O economista marxista indiano Prabhat Patnaik, num texto publicado em The people democracy (1/07/2018) e republicado logo depois no portal Ideas, procurou defender o sistema de acumulação centralizado que, usualmente – mas incorretamente –, recebe o nome de socialismo.[2] “O […]

Continue reading

Rumo ao desconhecido:

Endividamento mundial, crise monetária e colapso capitalista – Por Maurilio Lima Botelho: “(…) um mundo de riqueza material abundante, determinado por uma medida de riqueza substancial cada vez mais estreita (valor), teve que passar a pautar a circulação dos bens e serviços por uma representação fictícia da riqueza social. Numa configuração dessa, quando a própria […]

Continue reading

A_economia política dos direitos humanos

Por Robert kurz:   Alguma coisa pode não estar bem com os direitos humanos. A esta conclusão chegou, há mais de 150 anos, um homem chamado Karl Marx. Ele constatou o que tem um lugar central nas declarações de direitos humanos: liberdade dos sujeitos do mercado, garantia da propriedade privada, segurança policial das transacções. Por […]

Continue reading

Autonomías a la Mexicana

Entre la lucha campesina-indígena por la tierra, la praxis autonómica y los proyectos territoriales del “buen vivir” en Chiapas. Por Violeta Núñez, Luciano Concheiro y Patricia Couturier: Actualmente, esta otra forma de concebir el mundo, en donde la “Madrecita Tierra” (Concheiro y Diego, 2002) y el territorio concebido como sujeto, parece que son una de […]

Continue reading

Sair do trabalho?

Entrevista com Anselm Jappe [1] (Revue Réfractions – Recherches et expressions anarchistes n°38 – Versão em português por Pedro Henrique de Mendonça Resende – https://ocasocial.wordpress.com): “A esquerda sempre afirmou que está ‘no interesse’ dos operários fazer greve, demandar melhores condições de trabalho, etc., e surpreende-se com o pouco zelo deles para defender tais interesses. Ela rebateu, […]

Continue reading

Everybody wants to go to heaven, but no one wants to die to get there

Except the living deads? (SB) By Jehu (2014): If you ever want to make a good case against communism to a worker, tell her that communists want the following things: Everyone is unemployed No one has any income Democracy no longer exists No one can own anything The paradox of communism is that it appears to […]

Continue reading
bondage_by_daxhammond in deviant

¿Y si dejamos de ser ciudadanos?

Manifiesto por la desocupación del orden – Por Santiago López Petit: El (buen) ciudadano ya no es sólo el que es cívico y vota, sino el que está dispuesto a hacer de su vida una continua inversión capitalista en el pleno sentido de la palabra. “Tener una vida” significa invertir dinero, esfuerzo y tiempo, en […]

Continue reading

A Ruptura Ontológica

Antes do início de uma outra história mundial – Por Robert Kurz: “Quanto mais nitidamente a análise demonstra que nação e política se tornaram obsoletos, tanto mais atávico se revela o discurso político e teórico aos conceitos de política e nação. O dilema parece consistir no fato de que não há alternativas imanentes para esses […]

Continue reading

¿Es posible una acción política partiendo de la teoría del valor-trabajo?

Con la expresión acción política me refiero a la posibilidad de hacer germinar en la población una crítica a la sociedad del trabajo y de las mercancías capaz de derivar en formas de organización y participación política antagónicas (movimientos sociales, grupos de acción directa, etc.). Descarto entre las formas de organización política la de los […]

Continue reading

Todo direito é um golpe

POLÍTICAS E GEOPOLÍTICAS DO DIREITO – Por Alysson Mascaro: Todo direito é um golpe. É a forma do engendramento da exploração do capital e da correspondente dominação de seres humanos sobre seres humanos. Tal golpismo jurídico se faz mediante instituições estatais, sustentando-se numa ideologia jurídica que é espelho da própria ideologia capitalista. Sendo o direito […]

Continue reading

Da enorme descarga de capital fictício

Por Ernst Lohoff e Norbert Trenkle: – “Um movimento emancipatório contra a ‘austeridade’ e contra a gestão repressiva das crises deve visar romper, conscientemente, a ligação obrigatória entre a produção de bens sensíveis e a produção [suprassensível] de valor. Trata-se de recusar como ofensiva a questão da ‘viabilidade financeira’. Saber se as habitações serão construídas, […]

Continue reading
Sailing the Desert by Gate-to-Nowhere in deviant

Produção e Finança

Por Eleutério Prado: Há uma dicotomia entre produção e finanças? Produção é meramente produção de bens e serviços? Finança é apenas uma atividade de intermediação que às vezes, ou mesmo frequentemente, transforma-se em especulação, dando origem a um rentismo desenfreado?  Na nota que aqui se publica procura-se mostrar que essa “dicotomia” é uma falsidade fundada […]

Continue reading

Neoliberaler Keynesianismus

Por Robert Kurz: “Não é surpreendente que o keynesianismo de crise se revele a continuação do neoliberalismo por outros meios. Ambas as doutrinas se ligam incondicionalmente ao modo de produção capitalista, como pressuposto inultrapassável. Nesta crise histórica eles tornam-se idênticos, porque tanto o Estado como o mercado apenas podem executar os limites da valorização do […]

Continue reading